Cáritas debate direitos, conquistas e desafios das mulheres na atualidade

Animadas pela comemoração do Dia Internacional da Mulher, pela passagem dos 30 anos de trabalho da Cáritas com as mulheres, e na intenção de refletir as realidades das mulheres no dia de hoje, cerca de 50 participantes vivenciaram durante esta terça-feira, 08 de abril, o seminário Os direitos, as conquistas e os desafios na vida das mulheres.

O momento, promovido pela Cáritas Arquidiocesana de Passo Fundo, reuniu mulheres de Carazinho e de 15 bairros de Passo Fundo, debatendo principalmente duas temáticas: “A trajetória das mulheres vítimas da violência a agentes do desenvolvimento social” e “Construção e garantia de políticas públicas através dos fóruns e conselhos municipais”. Para isso, o encontro contou com a assessoria das professoras da faculdade de direito da Universidade de Passo Fundo e integrantes do projeto Projur Mulher Cidadã, Viviane Candeia Paz e Priscila Feldens; além de Eliana Bortolon, psicóloga e integrante de diversos conselhos municipais.

O trabalho, no que tange aos direitos das mulheres, realizado pelas professoras e advogadas, apresentou casos chocantes de mutilação, estupros, violências e ausência de direitos ao redor do mundo, provando que estas situações ainda ocorrem de forma muito constante.

Segundo as assessoras, a partir destes contextos, diversas conquistas já ocorreram, entre elas, a diminuição do patriarcalismo, a liberdade para escolha de profissão e religião, o direito ao voto, e, especialmente, a Lei Maria da Penha. Integrando as participantes, a metodologia de trabalhos em grupo guiou a reflexão do tema a partir de três perguntas: “O que é violência de gênero?”; “O que era o estatuto da mulher casada?; e “Qual o principal direito alcançado pelas mulheres brasileiras?”.

Para Beningna Rauber, participante do encontro, o trabalho foi muito esclarecedor. “Aprendemos muito sobre os direitos que temos. As advogadas foram brilhantes em suas colocações”, afirmou. Já Lisiane Pereira, do bairro São Cristóvão, comentou: “Achei o encontro muito interessante e rico de informações importantes sobre os direitos das mulheres”.

A parte da tarde, que iniciou com muita animação e integração, através de um trabalho de convivência e descontração, trouxe presente o debate da participação em espaços de construção e garantia de políticas públicas para as mulheres, conduzido por Eliana Bortolon. Na ocasião, a assessora realçou: “O nosso desafio é construir, juntas, um mundo mais justo e solidário. A fraternidade entre mulheres e homens é a nossa luta”.

O trabalho de formação e informação realizado pela Cáritas é continuado no acompanhamento aos grupos de mulheres e, de forma especial, nas oficinas do Projeto Projur Mulher Cidadã. A iniciativa percorre os grupos levando informações sobre os direitos do cidadão nas diversas áreas, especialmente no que diz respeito aos direitos da mulher.

O encontro teve apoio do FNS – Fundo Nacional de Solidariedade, que é formado pela Coleta da Campanha da Fraternidade e apoia iniciativas solidárias em todo o Brasil. Neste ano a Campanha da Fraternidade discute o tema do “Tráfico Humano”, cujas mulheres são, em grande parte, as principais vítimas.

 

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Passo Fundo
imprensa@arquidiocesedepassofundo.com.br
Fonte: Cáritas Arquidiocesana de Passo Fundo 

Categoria: