Arquidiocese de Passo Fundo
 
 
FORMAÇÕES
Outras Formações

Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
1
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
2
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
3
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
4
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
5 6
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
7
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
8
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
9
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
10
Notice: Undefined index: categoria in /home/arquidiocese/public_html/pg/artigos.php on line 113
11
03.Abr - O Rito da Palavra de Deus seja realizado com unção
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
O Rito da Palavra de Deus seja realizado com unção


A Palavra do Senhor é diálogo entre Deus e seu povo, com o qual fez uma Aliança e estabelece comunicação. Jesus Cristo se tornou humano pela Palavra (Jo 1) e pela mediação humana o próprio Cristo fala à assembleia reunida. A presença de Jesus Cristo na Palavra é simbólico-sacramental, passa pelos sinais sensíveis: leitor, voz, olhar, sentimentos, gestos...


O leitor(a) está a serviço de Jesus Cristo. Por isso a importância da abertura de coração, esmerando-se na preparação da proclamação da Palavra, consciente desta grande missão. É necessário ser um sinal vivo do Cristo-Palavra. A Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium, no artigo 7 diz: “Presente está pela sua Palavra, pois é Ele mesmo que fala quando se lêem as Sagradas Escrituras na Igreja”, ou seja, na comunidade reunida.


A liturgia da Palavra não é “fazer uma leitura” para cumprir uma rotina de maneira formal, desempenhando apenas o ato de ler. Logo, as práticas do improviso, buscando leitor apenas no momento antes da celebração, levam em conta somente o critério de domínio de leitura, esquecendo a diferença entre “fazer uma leitura” e proclamar a Palavra.


A Palavra precisa ser concebida no coração, gestada na interiorização e dada à luz pelo ressoar de uma Palavra viva. Por isso, ela recebe um rosto, uma voz, um sentimento, uma convicção. Ela não entra somente nos ouvidos, mas, pela força da própria Palavra e pelo ardor de quem a proclama, é capaz de provocar, de questionar, de fazer apelos, de alimentar, de fazer encantar-se pela causa do Reino. Portanto, para que a Palavra germine, crie raízes e gere frutos é necessário torná-la viva através de todo o ser que a proclama.


A proclamação precisa acontecer de dentro para fora, com convicção e vivência, ecoando no coração de quem a ouve. Que seja como uma fonte que, o brotar de suas águas inunde e    fecunde os caminhos por onde passa, liberte e produza vida nova, com a força do Espírito. A pessoa que exerce o ministério de leitor é instrumento, porta-voz do Senhor para a assembleia reunida. Esta missão requer permanente formação bíblica, litúrgica, espiritual e prática, a fim de que o anúncio de Jesus Ressuscitado, seja feito da melhor maneira possível. Cabe-nos repensar a dignidade que estamos dando à Palavra em nossas comunidades.


Dicas que ajudam a valorizar a Palavra de Deus:
· Quando houver procissão com a Palavra, o mesmo livro que entra deve ser utilizado na proclamação. Nunca use mais de um livro no Rito da Palavra, seja Lecionário ou Bíblia. Também não convém fazer as leituras bíblicas nos folhetos ou livros da liturgia diária, são materiais descartáveis. A Palavra de Deus não é descartável, mas eterna, é Cristo. Recomenda-se o uso de uma veste litúrgica, que manifesta o estar a serviço, no exercício do ministério.


· Entre e mantenha o livro da Palavra fechado, quando não usado (Lc 4,16-20). A Palavra do Livro Sagrado só fará efeito se lida, interiorizada e colocada em prática e não só porque o livro está aberto.


· Não há necessidade de citar o nome de quem fará a leitura, pois este é um instrumento do Senhor, que é quem nos fala quando são proclamadas as Escrituras.


· O leitor(a), após cada uma das duas primeiras leituras diga: "Palavra do Senhor" e depois da proclamação do Evangelho: "Palavra da Salvação", no singular, pois é Cristo-Palavra que está sendo proclamado e não apenas palavras lidas.


· Proclame de um lugar central: Ambão ou Mesa da Palavra. Observe uma boa postura. Boa leitura, respeitando a pontuação, tom de voz adequado, não muito rápida e com unção.


· A partir da preparação anterior é possível intercalar o olhar para o povo e não ficar com o olhar preso no livro. No olhar de quem lê, a assembleia quer sentir o olhar de Deus.


· Não há necessidade de ler os títulos orientativos: "Primeira Leitura", "Segunda Leitura", "Salmo Responsorial", "Evangelho", e mesmo os títulos dos textos na Bíblia.


Perguntas para reflexão:
· Na minha comunidade, as equipes de liturgia preparam, refletem os textos bíblicos, realizando a vivência prévia?
· Existe preocupação ou compreensão da importância do Rito da Palavra e seus elementos?
· A formação litúrgica encontra espaço e é valorizada em minha comunidade?


Equipe Arquidiocesana de Liturgia

Equipe Arquidiocesana de Liturgia

A Equipe Arquidiocesana de Liturgia é formada por leigos e padres que, além de organizar as celebrações arquidiocesanas, se responsabilizam pela Coluna Litúrgica - artigo publicado mensalmente no Jornal Presença Arquidiocesana e replicado nesta seção.

Indique a um amigo
 
CONTATO
Cúria Metropolitana
Rua Coronel Chicuta, 436 - 4º Andar | Edifício Nossa Senhora Aparecida - Centro - 99010-051 | Passo Fundo/RS
(54) 3045-9240

Centro de Pastoral
Rua Coronel Chicuta, 436 - 2º Andar | Edifício Nossa Senhora Aparecida - Centro - 99010-051 | Passo Fundo/RS
(54) 3045-9204
 
 
 

Copyright @ 2019 - Arquidiocese de Passo Fundo. Todos os direitos reservados.